8 de set de 2011

Escoliose

Escoliose é uma deformidade tridimensional da coluna vertebral. Trata-se de um acometimento que, se não tratado precocemente, pode acarretar sérios problemas envolvendo as estruturas que compõe e suportam nosso tronco.

Esta alteração pode acontecer em diferentes segmentos da coluna vertebral. A curvatura pode ser em “C” ou em “S”, e o lado da inclinação pode variar, assim como a região, variando da coluna lombar à cervical.

Existem dois tipos de escoliose, são elas: estruturada e funcional. A escoliose estruturada envolve uma inclinação lateral fixada associada de rotação vertebral irreversível. A escoliose funcional possui inclinação, porém sem rotação vertebral, o que a torna totalmente reversível na maioria dos casos.


Existem alguns testes que o fisioterapeuta pode utilizar para o diagnóstico funcional da escoliose, sendo o mais fidedigno o teste de gibosidade. O raio X da coluna vertebral é importante para complementar as informações referentes ao diagnóstico, e para que seja possível determinar o ângulo exato da curvatura.


A escoliose estruturada é causada por distúrbios neuromusculares (paralisia cerebral, lesão medular, doenças neurológicas ou musculares progressivas), fraturas, malformações e distúrbios idiopáticos (de origem desconhecida). A escoliose funcional é causada por características anatômicas ou funcionais, como por exemplo: diferença no comprimento das pernas, ocasionando assimetria no quadril e posturas habituais ou assimétricas relacionadas ao dia-dia. Vale salientar que uma escoliose funcional não tratada adequadamente pode evoluir para uma escoliose estruturada e irreversível.
Dependendo do grau de inclinação lateral, algumas estruturas podem ser comprimidas como, por exemplo, as raízes nervosas entre as vértebras. Também pode haver compressões discais que muitas vezes acarretam em um processo degenerativo do disco intervertebral.



O tratamento consiste no fortalecimento muscular para ganho de resistência, permitindo que haja maior sustentação da coluna no dia-dia, reeducação postural e alongamento dos músculos envolvidos na lesão objetivando o ganho de amplitude de movimento (ADM). Resultados notáveis serão analisados em indivíduos que possuem escoliose funcional. Para a escoliose estruturada, o tratamento servirá para sustentar e preservar a curvatura existente, impedindo o aumento dos graus de inclinação. Em casos mais graves (de graus de inclinação muito acentuados), pode haver necessidade de cirurgia com fixação das vértebras para correção. Em casos específicos, é recomendado o uso de órteses, que são aparatos como coletes para a manutenção e correção da postura.


Texto: Gregório N. Weinnmann
Revisão e Edição: Manoela Heinrichs, Leonardo Fratti Neves e Leonardo da Rosa Leal

Nenhum comentário:

Postar um comentário