21 de nov de 2012

Neuroma de Morton



O Neuroma de Morton é uma massa fibrosa que ocorre na bainha nervosa do nervo plantar, envolvendo-a, gerando aderência do nervo. Incide no nervo plantar comum, onde ele se divide em dois ramos digitais, localizando-se entre a terceira e a quarta cabeça metatarsal. Devido a uma característica do sexo feminino de usar sapatos com salto, sugere-se que a lesão ocorre pelo aumento de pressão na cabeça dos metatarsos e consequentemente compressão do nervo. 




O neuroma desenvolve dor característica no ante pé fazendo com que o paciente tenha por hábito retirar os sapatos e massagear a região por onde passa o nervo. A dor irradia-se para os dedos e pode estar associada à parestesia e sensação de queimação. Radiografias não são sugestivas para detectar o neuroma. A ressonância magnética é um exame que certamente demonstra o neuroma, características e tamanho.

Tratamento:

Inicialmente deve-se instruir o paciente para que o mesmo siga alguns procedimentos básicos, conjuntamente ao tratamento (orientação). Mudanças de hábitos quanto ao uso de calçados, com preferencia em sapatos com salto menor e bico mais largo, diminuindo a pressão existente no ante pé, associado ao uso de anti-inflamatórios, caso haja indicação médica. 

O tratamento fisioterapêutico baseia-se em alongamento de flexores de dedos e fáscia plantar, com o objetivo de liberar as aderências que envolvem a bainha do nervo. O ultra-som terapêutico é utilizado com o intuito de acelerar o metabolismo na região da lesão e causar ruptura nos tecidos sólidos, agindo com propriedades anti-inflamatórias. A crioterapia (gelo), que tem por efeito fisiológico diminuir o fluxo sanguíneo e anestesiar a área de aplicação, diminuindo os processos álgicos. O tratamento cirúrgico pode ser indicado em alguns casos. 

Texto: Gregório Nunes Weinmann
Edição e Revisão: Leonardo Fratti Neves

29 de out de 2012


Incontinência Urinária e a Fisioterapia



A incontinência Urinária (IU) é caracterizada como perda involuntária de urina, e pode acometer tanto em mulheres quanto em homens. Necessidade de ir ao banheiro imediatamente, perda de urina durante o sono ou depois de algum esforço como tossir ou pegar algum objeto pesado e não perceber que a bexiga está cheia são situações mais comuns do que se imagina, experimentadas por 15% a 30% das pessoas acima de 60 anos.





A incontinência urinária classifica-se em vários tipos, sendo que os tipos mais comuns são a de esforço e de urgência. A primeira pode ser desencadeada por uma atividade física ou um esforço como saltar, tossir, rir e levantar pesos. A segunda ocorre por um desejo de urinar sem controle.


Ocorrem com grande frequência, especialmente entre as mulheres pelas diferenças anatômicas do sexo feminino, alterações hormonais e aos traumas relacionados às gestações e partos que favorecem o deslocamento e enfraquecimento dos músculos do assoalho pélvico, responsáveis pela perda involuntária de urina.




Os músculos do assoalho pélvico são um grupo de músculos de controle voluntário, em forma de rede que se localizam na porção inferior do quadril, especificamente entre as coxas e tem a função de sustentar os órgãos internos. Estes músculos desenvolvem um papel importante no correto funcionamento da uretra e reto agindo como válvulas de fechamento e circundam também a vagina. Quando ocorre algum problema relacionado à função da bexiga ou do reto (através de vazamentos involuntários) os músculos do assoalho pélvico tornam-se o foco das atenções. As perdas de urina são explicadas por que em muitos casos estes músculos estão fracos, foram lesados, estão frouxos ou em hiperatividade.

A fisioterapia tem sido indicada como uma possibilidade terapêutica, com o objetivo de reforçar a musculatura do assoalho pélvico, melhorando os sintomas da perda da urina. O melhor tratamento da incontinência urinária nas mulheres é a prevenção e esta deve se iniciar o quanto antes. Um treinamento muscular através de exercícios irá manter um bom tônus muscular da pelve e ajudará evitar a incontinência urinária.

Podemos dizer que existem três ações da musculatura pélvica que podem ser facilmente percebidas pela mulher: o controle para o fluxo urinário, controle para o fluxo anal e constrição da vagina. Seguindo os três testes propostos, a mulher pode, de maneira prática e em com auxilio de um fisioterapeuta, identificar sua musculatura e iniciar os treinos de contração. Os exercícios devem ser constantes, sabendo que qualquer musculatura do corpo ao permanecer parada, enfraquece com muita rapidez.

Outra forma de trabalho de prevenção e tratamento da musculatura pélvica é o Pilates. Os praticantes do método pilates têm a chance de durante as sessões trabalhar mais as regiões do abdômen e pélvica, especialmente o períneo (área entre o ânus e a uretra).
Pode-se ter excelentes resultados quando se utilizam exercícios específicos para a musculatura do assoalho pélvico, adquirindo maior controle da urina. Essa musculatura tem um grande enfoque dentro do pilates, junto com a musculatura profunda do abdômen e o diafragma, formando nosso centro de força e estabilidade.

A fisioterapia ginecológica dispõe de técnicas, cuja eficácia dos resultados vem sendo comprovada há mais de meio século, em dezenas de estudos. O fisioterapeuta é capaz de reabilitar, além de promover a saúde e melhoria na qualidade de vida. A prevenção é a melhor solução para combater a incontinência urinária.


Texto: Betânia Koslowski
Revisão e edição: Leonardo Leal, Manoela Heinrichs 

FONTE:

ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NA INCONTINÊNCIA URINÁRIA NA MULHER. Ft. Roberta Botelho Campos.

Pilates pode ajudar a tratar incontinência urinária. Revista Pilates. 2008.

Proposta de atividades físicas para mulheres com incontinência urinária de esforço. Aletha S. Caetano e Maria Consolação Tavares.

19 de out de 2012


Celulite, o que é?    

      A celulite é causada principalmente pela gordura armazenada abaixo da superfície da pele que, pressiona contra cordas fibrosas que ligam os músculos à pele, o que faz com que a pele pareça irregular ou desigual. Ela surge devido a um mau funcionamento das células de gordura (adipócitos) que retêm um maior teor de lipídios, e que estimulam a retenção de líquidos, levando assim ao aumento de volume da célula de gordura, gerando compressão dos vasos e comprometendo a circulação sanguínea.

     Áreas da pele com covinhas ou uma aparência de casca de laranja pode atormentar os braços, coxas, quadris, nádegas e abdómen de homens e mulheres. 
      A celulite está dividida em três graus, dependendo da profundidade e até da consistência da pele (mais firme ou mais flácida). No nível 1, a celulite aparece quando a pele é pressionada, enquanto no 2 nenhum estímulo é necessário para notar o problema. Já o grau 3, além de apresentar furinhos profundos, largos e em grande quantidade, pode provocar sensação de dor.
     Atualmente grande parte do público feminino tem recorrido a métodos e técnicas da área da Fisioterapia Dermato-Funcional. Isto motivou uma grande revolução na indústria de cosméticos e aparelhos desta área da fisioterapia, assim como na pesquisa e introdução de novos conceitos que, quando eleitos e aplicados corretamente, proporcionam resultados que atendem aos anseios dos pacientes e profissionais. É o caso do Heccus, um aparelho que tem chamado muita atenção, pois é uma técnica não-invasiva, sem efeitos colaterais indesejáveis, e que já provou seus ótimos resultados. Dentre os resultados pode-se ressaltar a ativação do sistema linfático (melhor drenagem linfática), a melhora da flacidez e da textura da pele, a melhora da definição da musculatura, a melhora da celulite e a redução gordura localizada, consequentemente, a redução de medidas. Ao ser deslizado pela pele, o aparelho envia estímulos elétricos tripolares, ação responsável por ativar o sistema linfático, aumentar o metabolismo local, promovendo a quebra das células de gordura o que, junto com a drenagem linfática, facilita sua eliminação.

         Só é possível reduzir por completo a celulite, diminuindo a percentagem de gordura total do seu corpo. Fazer ajustes saudáveis aos seus hábitos alimentares pode ajudar a perder gordura e banir a celulite do seu corpo. Inclua exercícios no seu programa de perda de gordura para complementar seu tratamento. A prática de uma atividade aeróbica, como a corrida, a caminhada contribui para a eliminação das celulites aliada a outros tratamentos e a hábitos saudáveis, ajuda na circulação sanguínea e na oxigenação, o que contribui para a prevenção e na diminuição deste mal.


        Outras atividades de fortalecimento muscular como musculação, Pilates e treinamentos funcionais podem ajudar a fortalecer e aumentar a massa muscular e queimar gordura para dar ao corpo uma aparência mais tonificada, e sem o aspecto de pele irregular.  A combinação de drenagem linfática e Pilates podem trazer ótimos benefícios contra a celulite. Ambas as práticas colaboram contra aquela aparência desigual nas regiões de gordura, porém o resultado é mais intenso quando se trabalha primeiro com a circulação. Após a drenagem, a contração muscular proporcionada pelo Pilates ativa a circulação sanguínea e potencializa a eliminação dos líquidos pela urina.

       Procurando adotar algumas atitudes mais saudáveis, tanto na alimentação como no estilo de vida, conseguimos melhorar a aparência da celulite e até mesmo evitar que ela apareça.

Procure um fisioterapeuta e informe-se!
A Vie Clínica de Fisioterapia está com ótimas condições para a realização do Heccus.

Criação: Betânia B.
Revisão: Manoela Heinrichs


8 de out de 2012

Artrogripose Múltipla Congênita



            Trata-se de uma doença musculoesquelética que acomete membros superiores e inferiores e tem por natureza gerar deformidades articulares, principalmente nos pés e tornozelos. A artrogripose é uma doença rara que ocorre em 1 a cada 3000 nascidos. Porém, estes sintomas podem confundir-se com outras anomalias musculo esqueléticas como, por exemplo: pé torto congênito e luxação do quadril. Não se sabe exatamente a etiologia da doença, mas a ocorrência está relacionada à limitação dos movimentos do feto. Qualquer fator que restrinja os movimentos do feto levam a contraturas osteomusculares importantes. Com isso, pode-se dizer que as deformidades ósseas não estão relacionadas a malformações próprias do período embrionário. 




            Fatores relacionados à diminuição do movimento fetal:
1-     Falha na formação, maturação ou na função das estruturas periféricas nervosas ou centrais (nervo/córtex).
2-     Anormalidades da estrutura ou da função muscular.
3-     Anormalidade de tecidos conjuntivos, devido a um desenvolvimento anormal de tendões, ligamentos, ossos e articulações.
4-     Comprometimento vascular intrauterino. Esta dificuldade de irrigação pode levar a contraturas importantes no espaço uterino.

Na artrogripose clássica, não há comprometimento da capacidade cognitiva. O que normalmente se observa é a redução da massa muscular e contraturas articulares múltiplas. As crianças acometidas, embora apresentem um grave comprometimento musculoesquelético, manifestam um desempenho funcional satisfatório. A fisioterapia, o uso de órteses e intervenções cirúrgicas favorecem e permitem um melhor desempenho nas fases de crescimento e vida adulta.

 
Tratamento:
O tratamento baseia-se no ganho de mobilidade articular, visando à correção das deformidades. A fisioterapia deve ser realizada precocemente. Quando há indicação cirúrgica para uma deformidade, a precocidade do processo interfere nas fases de reabilitação. Após a correção de uma deformidade (método cirúrgico ou gesso) deve-se iniciar uma breve mobilização, tendo em vista o ganho de mobilidade articular. Indicação do uso de órteses corretivas para estes pacientes são bem vindas. Uma característica da artrogripose é a sua grande capacidade recidiva, mesmo após processo cirúrgico, muitas das vezes tornando as deformidades piores do que as manifestações iniciais. Por isso o enfoque na precocidade e orientações durante a fase de tratamento.


Texto: Gregório Nunes Weinmann
Revisão e Edição: Leonardo Fratti Neves

2 de out de 2012

Reabilitação Funcional


          Atualmente, a reabilitação por meio dos exercícios funcionais é o que há de mais preciso no processo de melhora e evolução de um paciente. Tem como princípio preparar o organismo de maneira íntegra, segura e eficiente por intermédio do treinamento com exercícios específicos que permitem que o corpo humano seja estimulado de um modo que melhore todas as qualidades do sistema musculoesquelético. As melhoras são vistas na força, velocidade, equilíbrio, coordenação, flexibilidade, agilidade, resistência cardiorrespiratória e neuromuscular e também motivação.

          Vários dos objetivos desse método de exercício representam uma volta à utilização dos padrões fundamentais do movimento humano (como empurrar, puxar, agachar, girar, lançar, pular, dentre outros) envolvendo a integração do corpo todo para gerar um movimento específico em diferentes planos de movimento. Os exercícios praticados com o objetivo de prevenção de lesões, ou reabilitação levam a melhora de habilidades cuja execução procura atender à função e ao fim prático, ou seja, tenham propósitos específicos, simulando movimentos que são utilizados no dia a dia do praticante.



          Na reabilitação, os exercícios funcionais são muito utilizados principalmente em lesões de joelho, ombro, e quadril, onde o grau de movimento é amplo, e a funcionalidade é precisa. Chutar uma bola, sentar e levantar da cadeira, equilibrar-se em uma base instável, pegar algo no alto e levar á outro, são exemplos de exercícios do dia a dia que buscarão desenvolver o equilíbrio, propriocepção, resistência muscular e força, para que o tempo de reabilitação seja menor e mais eficiente, preparando o indivíduo para enfrentar os desafios pós lesão.



           Os exercícios podem ser realizados com o peso do próprio corpo, cabos, elásticos, pesos, bases instáveis, over balls, bolas suíças, entre outros, para trazer benefícios mais significativos à capacidade funcional do corpo. São exercícios bastante motivacionais e desafiadores, onde o indivíduo acompanhado de um fisioterapeuta tem a possibilidade de alcançar a funcionalidade corporal natural de seu organismo. Um bom treinamento funcional é indispensável para uma completa reabilitação do paciente.

Texto: Betânia Koslowski
Edição e revisão: Leonardo Leal; Manoela Heinrichs 

FONTE:
- TREINAMENTO FUNCIONAL E CORE TRAINING: UMA REVISÃO DE LITERATURA. Fernanda Rafaela Prandi. UFSC, Julho, 2011.
- TREINAMENTO FUNCIONAL - Uma abordagem prática. Artur Monteiro e Alexandre Evangelista. Phorte Editora. Fevereiro, 2012.

27 de set de 2012

Distúrbios nervosos:

O sistema nervoso é dividido em central e periférico, basicamente. Central corresponde ao córtex (cérebro) e medula espinhal. O periférico corresponde aos nervos e gânglios, originando-se na coluna vertebral, resultado de ramificações da própria medula espinhal. Os nervos são responsáveis por transmitir os estímulos elétricos para a periferia do nosso corpo. Esses estímulos dão origem ao movimento, liberando uma descarga elétrica no tecido muscular, estimulando e recrutando fibras musculares a iniciarem a contração. Também são responsáveis por transmitir estímulos da periferia para o centro (cérebro), através do sistema sensorial presente no tecido tegumentar (pele). Baseando-se na sua proximidade em relação às estruturas do tronco (coluna) e membros (inferiores e superiores), os nervos podem ser lesados ou tensionados em determinadas situações, como por exemplo: condições musculoesqueléticas, postura e microtraumas que resultam em sintomas, comprometimentos e limitações. A estrutura do sistema neuromuscular consiste nos neurônios motores e os músculos por eles inervados; e os neurônios sensitivos, que captam estímulos do meio externo, localizados em tecidos conjuntivos, articulações e vasos sanguíneos.
O sistema nervoso tem por característica ser móvel e deformar-se, sendo capaz de conduzir estímulos. Se qualquer parte do sistema for colocada em tensão, estes estímulos podem se dissipar ao longo de toda sua extensão. Os locais de lesão dos nervos periféricos podem ocorrer em qualquer parte do seu trajeto, desde suas raízes nervosas (próximas a coluna) até seu destino, nos tecidos do tronco e membros. Os sinais e sintomas do comprometimento nervoso são: fraqueza motora e alterações sensoriais significativas manifestadas na pele.  

Raízes nervosas: Estão situadas próximo a coluna, originando-se no canal vertebral, atravessando os forames da coluna vertebral, rumo a periferia. Baseado nisso, estas raízes podem ser pinçadas devido a patologias da coluna vertebral responsáveis por reduzir o espaço intervertebral, como por exemplo, as doenças degenerativas dos discos intervertebrais, gerando inflamação do nervo. O sistema nervoso possui uma mobilidade significativa para adequar-se aos movimentos do corpo, e mesmo assim, existem regiões onde ficam suscetíveis a maior pressão ou tensão. Se a compressão de algum nervo estiver impedindo sua mobilidade, ocorrerão os chamados sinais de tensão quando o nervo for tensionado, são eles: dor e parestesia (formigamento).

Síndrome do túnel do carpo (STC) Esta síndrome é um exemplo de distúrbio nervoso periférico. O túnel do carpo é um espaço envolto pelos ossos do carpo (punho) e tecido conjuntivo, por onde passam os tendões dos músculos responsáveis pelo movimento do punho e nervos responsáveis por inervar os músculos da mão. A STC é caracterizada pela perda de força dos músculos da mão e formigamento da mesma, devido ao comprometimento do nervo mediano na região do carpo. Isto se deve a vários fatores, um deles pode estar relacionado à inflamação dos tendões que aumentam de tamanho devido ao processo inflamatório, comprimindo todas as estruturas que passam por este mínimo espaço.  

Diretrizes de tratamento: A recuperação do nervo lesado é influenciada por fases distintas e o tratamento fisioterapêutico é baseado nisto. Basicamente, as condutas são: exercícios que visem o ganho de amplitude de movimento (ADM) para evitar aderências articulares ou contraturas musculares, reeducação motora, com técnicas que estimulem a contração voluntária dos músculos, como por exemplo: exercícios ativo-assistidos, onde o paciente é instruído a realizar os movimentos característicos do membro até sua amplitude máxima.
Outras condutas muito importante que são utilizadas são a dessensibilização do nervo, baseando-se em técnicas que reajustem a sensibilidade do nervo, objetivando diminuir a hipersensibilidade durante a fase de regeneração. Utilizar múltiplos tipos de texturas (algodão, material áspero, lixas) nas terminações específicas de cada nervo, é uma alternativa de tratamento para esta fase. Por ultimo ocorre o treinamento do cérebro para identificação dos estímulos.
Uma alternativa de tratamento para esta fase é passar alguma textura sobre a superfície onde há manifestação do distúrbio nervoso, utilizando a visão para relacionar o toque ao objeto que está sendo utilizado. Com isso, o cérebro irá fazer referencia ao estímulo que está sendo dado.


 Criação; Gregório W
Edição: Manoela Heinrichs e Leonardo Leal

18 de set de 2012

PILATES PARA CRIANCAS E ADOLESCENTES

Assim como para os adultos, o pilates também é altamente recomendado para crianças e adolescentes. O que para os adultos é uma atividade física para os jovens pode acabar como uma diversão também. O pilates ajuda muito no desenvolvimento do adolescente e da criança e ao invés de uma reeducação postural como proposta aos adultos, traz para eles uma educação postural, pois é neste período de idade que eles têm mais facilidade de aprendizado. Aprender o certo é muito importante para que não se habitue aos vícios de má postura, muitas vezes trazendo problemas mais tarde. Muitas alterações posturais, em especial as relacionadas com a coluna vertebral, têm sua origem no período de crescimento e desenvolvimento corporais, ou seja, na infância e na adolescência. Também há um alto número de adolescentes e crianças com disfunções pelo crescimento acelerado, como encurtamentos, dor do crescimento e escolioses. Assim como é para os adultos, o pilates realizado por eles gera um incremento do alongamento e na mobilidade corporal, melhora da postura corporal, diminuição e prevenção de dores, e principalmente estimula a consciência corporal. Os exercícios enfocam mobilidade, alongamento, propriocepção e exercícios para manutenção da postura.
A concentração e o equilíbrio são trabalhados em todos os exercícios, onde o jovem pode desenvolver uma postura melhor, e aprende como realizar atividades do dia-a-dia de uma maneira correta. Como benefício adicional, o adolescente aperfeiçoa sua coordenação motora, e consegue melhorar sua concentração e a consciência corporal, que são afetadas nesta fase de turbilhão de hormônios. Um aspecto também notado é a melhora na auto-estima, pois as práticas possibilitam que o jovem sinta um domínio maior sobre seu corpo, vivencie melhoras físicas e, psicologicamente, permite maior afirmação perante o meio social. As transformações da visão corporal podem revolucionar positivamente a fase que está vivendo, incorporando confiança à sua rotina. A união de perda calórica, melhora do condicionamento físico e melhora da postura sugere o pilates como uma atividade física, só que sem impacto e sem risco de lesão, e muitos benefícios.
Texto: Betânia K Revisão Edição e revisão: Leonardo Leal; Manoela Heinrichs do Reis
Fonte: Associação Brasileira de Pilates
 NETO, L. B. et al. A importância da estabilização central no método Pilates. Fisioterapia e movimento. Vol.25 no.2. Curitiba, Abr./Jun. 2012.
 OLTRAMARI, J. D., et al. Efeito de um programa de treinamento utilizando o método Pilates® na flexibilidade de atletas juvenis de futsal. Revista brasileira de Medicina no esporte. Vol. 13, Nº 4 – Jul/Ago, 2007.

14 de set de 2012

Higiene das vias aéreas

A respiração é o processo de trocas gasosas no corpo humano, incluindo a captação de oxigênio e sua distribuição. Durante a respiração ocorrem cinco processos básicos, são eles: ventilação, distribuição, difusão, perfusão e circulação. Ventilação é a simples passagem do ar para dentro e para fora dos pulmões; Distribuição é o deslocamento do ar pelos pulmões até os alvéolos; difusão é a passagem dos gases dos alvéolos para a corrente sanguínea; perfusão é o volume de sangue bombeado que atinge os pulmões com um determinado índice pressórico, a posição corporal está diretamente relacionada com o grau de perfusão, pois quando estamos em pé, aumentamos o fluxo sanguíneo na base pulmonar, região caracterizada por manter uma grande atividade de trocas gasosas; o ultimo processo é a circulação, responsável pelo transporte do sangue oxigenado para os tecidos. Secreções retidas podem provocar desequilíbrio entre ventilação e perfusão, alterando a biomecânica pulmonar.
Deficiências em relação à ventilação são classificadas em primárias e secundárias. As causas primárias são: fibrose cística e doenças pulmonares obstrutivas crônicas, onde o comprometimento básico é causado pela ineficiente limpeza das vias aéreas. As causas secundárias não estão relacionadas a higienização. No processo primário o acumulo excessivo de muco nas vias respiratórias é a causa da obstrução destas estruturas, comprometendo a ventilação pulmonar. O cigarro pode acarretar piora dos sintomas, visto que diminui o movimento ciliar das vias aéreas, que são responsáveis pela sua limpeza. Fibrose cística: caracterizada como uma doença hereditária, que envolve as células epiteliais das glândulas exócrinas (glândulas que produzem secreções). Os órgãos afetados incluem seios, face, pulmões, pâncreas, intestino, trato biliar, colo uterino e glândulas sudoríparas. A fisiopatologia diz respeito ao acumulo de sódio e cloreto nas células, fazendo com que a água seja atraída para este meio. Basicamente a doença manifesta-se através de secreções mais secas e espessas, prejudicando o sistema muco ciliar nos pulmões, responsável pelo mecanismo de limpeza do mesmo, proporcionando o acúmulo e proliferação de bactérias, obstruindo a passagem do ar tanto na inspiração quanto na expiração.
Doença pulmonar obstrutiva crônica: As DPOCs são em geral classificadas como obstrutivas e restritivas. Em relação à higienização pulmonar, levamos em consideração os aspectos obstrutivos, pois se referem a doenças como, por exemplo: bronquites crônicas e enfisemas pulmonares. Estas doenças caracterizam-se por obstruir a passagem do ar para os pulmões ou até mesmo seu esvaziamento, por acúmulo de secreção nos brônquios por inflamação. A falta de ar presente nesses pacientes limita a tolerância ao exercício O tratamento consiste na higienização pulmonar, através de técnicas específicas para desobstruir estas vias aéreas inferiores (bronquíolos e alvéolos). Técnicas combinadas como percussão e vibração associadas à drenagem postural, além de técnicas de expiração lenta e a tosse são utilizadas pelo fisioterapeuta. Se necessário, o fisioterapeuta pode utilizar o estímulo de tosse, que induz o paciente a tossir e eliminar a secreção no momento adequado ou a aspiração da secreção através de sonda. Essas medidas servem para que o paciente tenha uma troca gasosa mais eficiente nos pulmões, o que permite mais conforto respiratório e melhor qualidade de vida. Texto: Gregório Nunes Weinmann Edição e correção: Leonardo Fratti Neves

6 de set de 2012

Pilates solo x Pilates com aparelhos

O Método Pilates tem como princípios a respiração, concentração, controle, precisão dos movimentos, fluidez e centralização e independente de qual modalidade você estiver praticando esses princípios devem sempre ser seguidos. Com a popularização do Pilates, existem muitos adeptos desse método e muitas vezes os praticantes não sabem as diferenças e semelhanças entre o Pilates solo e o Pilates com aparelhos. Embora possuam características diferentes, os benefícios alcançados podem ser os mesmos.
No Mat Pilates, ou Pilates no solo, em alguns movimentos, você depende da força de seu próprio corpo para realizar os exercícios, e, por isso, alguns exercícios são considerados mais difíceis do que os que utilizam aparelhos. Em ambas as modalidades, o enfoque da sessão é no alongamento e fortalecimento simultaneamente, trabalhando também equilíbrio, proporcionando uma atividade completa.
É comum que o instrutor faça uso de acessórios como bolas, magic circle e elásticos flexíveis para adicionar novidades à sessão ou promover mais desafios aos praticantes e até mesmo ajudá-los em alguns exercícios. O Pilates solo também é indicado para adquirir e manter a boa postura e o alinhamento articular, levando o praticante a uma maior consciência corporal e cuidado com o próprio corpo, sendo assim, utilizado também para o tratamento de lesões na coluna, joelhos, ombros, artroses e dores em geral. No Pilates solo as sessões podem ser feitas em grupo, o que também promove mais sociabilização entre as pessoas.
Os aparelhos do Pilates foram criados especialmente para os exercícios da técnica, que é a mesma do solo, porém com a utilização dos aparelhos é permitido uma grande variação de exercícios. Assim como a introdução de acessórios na sessão de Pilates solo promove uma variedade nos exercícios, no Pilates com aparelhos temos o mesmo beneficio, pois o aparelho também permite variações dos movimentos. Nos aparelhos, as molas existentes, geram um aumento na carga durante a execução dos movimentos e ainda podem auxiliar os movimentos. No solo para promover aumento da carga podemos fazer uso de halteres, caneleiras, bolas e bosu e para auxilio podemos utilizar faixas elásticas, rolos e magic circle.
O Pilates com aparelhos, também auxilia no tratamento de dores, na postura e alinhamento corporal. As duas modalidades não tem contra indicações, pois as sessões são especificas e individualizas e as variações de exercícios são imensas. Cabe salientar aqui a importância de seu instrutor de Pilates ser um fisioterapeuta, pois esse é o profissional mais capacitado em relação à reabilitação em geral. As duas técnicas trazem benefícios imensos, mas o objetivo principal é promover força e flexibilidade muscular. Porém, estudos apontam que os exercícios também ajudam a perder peso e ainda podem auxiliar no sistema cardiorrespiratório. Já existem estudos que mostram o efeito do Mat Pilates na redução do percentual de gordura, da diminuição da obesidade e da melhora na capacidade funcional. De fato, o melhor é experimentar a técnica que mais combina com você, e desfrutar dos benefícios! A Vie Clínica de Fisioterapia oferece essas duas modalidades de sessão, tanto o Pilates solo como o Pilates com aparelhos. Criação: Betânia K Revisão e Edição: Manoela Heinrichs e Leonardo Leal

29 de ago de 2012

Lesão cerebral traumática: Lesões do sistema nervoso central podem acontecer por qualquer tipo de acidente traumático, como por exemplo: acidentes automobilísticos ou objetos penetrantes, podendo acometer diversas estruturas cerebrais, dividindo-se em lesões focais e difusas.
Lesões focais ocorrem no local do trauma inicial, quando o tecido cerebral é lesado devido ao impacto do cérebro com o crânio. Utilizando o exemplo do acidente automobilístico, na maioria das vezes o cérebro choca-se com a região frontal do crânio, proporcionando, ocasionalmente uma lesão na região frontal do córtex. Lesões difusas podem acontecer por hipóxia ou isquemia (falta de oxigenação das células) ou por aumento de pressão intracraniana. O edema cerebral é um exemplo disso, pois como o cérebro está contido no crânio rígido, qualquer acumulo de liquido fora de suas dimensões normais pode ocasionar no aumento de pressão de determinadas regiões cerebrais. Este aumento de pressão é prejudicial, pois dificulta a circulação de sangue rico em oxigênio, podendo levar o tecido a morte. Lesões em vias venosas se manifestam de maneira mais lenta, devido à diferença de pressão existente entre veias e artérias. Artérias necessitam de uma pressão maior, pois transportam sangue rico em oxigênio e as trocas gasosas realizadas nos demais tecidos é regulada por esta diferença pressórica. Baseado nisso, o aumento do edema em uma lesão arterial será mais rápido.
Lesões cerebrais traumáticas podem causar disfunções para toda a vida, que afetam ou limitam o individuo de realizar suas atividades de vida diária, prejudicando o mesmo de voltar à escola, trabalho ou até mesmo as necessidades mais simples em sua casa. O papel do fisioterapeuta não é somente melhorar as habilidades funcionais, mas também os déficits funcionais ocasionados pelas restrições físicas, sensoriais, visuais, cognitivas, emocionais e comportamentais, dependendo da gravidade da lesão. Devemos lembrar que o cérebro é uma região muito complexa que coordena todas as funções citadas à cima, ou seja, qualquer alteração existente nessa estrutura pode acarretar primeiramente em respostas motoras inadequadas e, consequentemente, deformidades estruturais indesejadas, adquiridas com o tempo. A fisioterapia atua tanto na reaprendizagem destas funções, quanto para minimizar as restrições funcionais que podem se instalar com o passar do tempo. Técnicas como alongamentos e mobilizações articulares são de extrema importância para manutenção das amplitudes de movimento desejadas, enquanto que outras técnicas como fortalecimento muscular e propriocepção contribuem para o que chamamos de recondicionamento muscular e reaprendizagem de movimentos.
Texto: Gregório W. Edição e Revisão: Manoela Heinrichs

11 de jul de 2012

Insuficiência Cardíaca

O coração é o órgão responsável pelo bombeamento do sangue para todo corpo. Esse bombeamento é realizado por meio de contrações, que são feitas com uma determinada pressão que seja suficiente para que o sangue possa percorrer todo o corpo, e assim transportar oxigênio e nutrientes necessários pelos tecidos e órgãos.

Insuficiência Cardíaca
O coração é um músculo formado por duas metades, a direita e a esquerda – cada metade é dividida entre átrio e ventrículo – quando alguma delas falhar ocorre insuficiência cardíaca (IC). Sendo assim, a IC caracteriza-se pela falha do coração em sua função de bombear o sangue em decorrência de qualquer condição que leve uma diminuição do bombeamento do sangue pelo coração.
Causas
Pode ser causada pela deficiência da contratibilidade ou distensão do músculo cardíaco, hipertensão (porque exige maior esforço do coração) diminuição do fluxo sanguíneo nos vasos do próprio coração (pode causar Infarto do Miocardio) ou da lesão das válvulas cardíacas, por pressão externa em torno ao coração, por deficiência da vitamina B ou qualquer anormalidade que torne a bomba cardíaca ineficiente.

Os sintomas
Dispnéia (dificuldade em respirar), retenção de líquidos, dor abdominal, fadiga (está relacionado à redução da circulação), tosse, palpitação, tonturas, edema pulmonar (líquido nos pulmões), e ainda por vezes pode causar confusão mental (pelo diminuição do fluxo sangüíneo no cérebro).

Tipos
Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA)
Insuficiência Cardica Congestiva (ICC)

É um acontecimento súbito e catastrófico de grande risco e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de uma ação eficaz. Geralmente está relacionada a um infarto do miocárdio, ou a uma arritmia severa do coração. Ex: hemorragia severa, traumatismo cerebral grave e o choque elétrico de alta voltagem.

Normalmente se desenvolve gradual, às vezes durante anos. Sendo uma condição crônica, gera a possibilidade de adaptações do coração o que pode permitir uma vida prolongada, às vezes com alguma limitação aos seus portadores, se tratada corretamente.

A IC também pode ser classificada de acordo com o ventrículo acometido:
Insuficiência Cardíaca Ventricular Esquerda (ICVE): Quando o lado esquerdo do coração falha que pode levar complicações como congestão vascular pulmonar e o edema pulmonar.
Insuficiência Cardíaca Ventricular Direita (ICVD): Quando o lado direito do coração não bombeia sangue suficiente para os pulmões, gerando acumulo de liquido nos tecidos, pode levar a um edema sistêmico (inchaço em todo o corpo).

Tratamento
Não há cura para a insuficiência cardíaca, mas ela pode ser controlada de forma muito eficaz por intermédio da atuação de uma equipe multidisciplinar. 
Os objetivos do tratamento são: diminuir os sintomas, controlar as suas causas, prevenir que piorem e prolongar a vida do paciente (com qualidade).
O tratamento inclui mudanças no estilo de vida, medicamentos, e cuidados especializados para pacientes em estágio avançados, tendo a necessidade do acompanhamento de diversos profissionais da saúde.
A fisioterapia pode e deve atuar em todas as fases da doença e na sua prevenção, tanto no âmbito hospitalar e/ou no ambulatorial. A reabilitação cardíaca tem sido indicada tanto na prevenção como na reabilitação cardíaca, por promover adaptações importantes para o funcionamento do sistema cardiovascular, diminuindo sintomas, riscos de gravo, controle de doenças coadjuvantes, prolongando da vida e melhora da qualidade de vida.





Criação: Kátia Rech
Revisão: Manoela Heinrichs

9 de jul de 2012

Vie Runners na etapa do SESC do circuito de rústicas de São Leopoldo 2012

Nesse último domingo (08/07/2012) os colaboradores, pacientes e amigos da Vie participaram da etapa do SESC de rústicas de São Leopoldo. 14 corredores participaram da equipe Vie Runners em diferentes categorias (3, 5 e 10 km, masculino e feminino, com diferentes idades). Ao todo, foram 14 Vie Runners que participaram desta etapa e 7 deles subiram ao pódio! Agradecemos profundamente aos que acordaram cedinho,no frio de 3ºC, deste domingo para participar e fazer parte da equipe! 
Seguem alguns dos resultados e fotos:

Equipe Vie Runners! * Faltaram na foto a Letícia Astolfi e seu esposo.


Laura Menezes recebendo a premiação de 2ª colocada na sua categoria!



Aline Cruz comemorando o 3º lugar na sua categoria!

Marcele - 2º lugar na sua categoria!

Equipe de fisioterapeutas da Vie comemorando o bom desempenho do Marcele, que ainda está em fase final de reabilitação pós-cirúrgica do seu ligamento cruzado anterior!


Sérgio Mendel também foi 2º colocado na sua categoria!

Comemorando o desempenho excelente e já esperado com a equipe de fisioterapeutas da Vie!

Exibindo as medalhas!

A fisioterapeuta Manoela Heinrichs representou os colaboradores da Vie no pódio - 2ª colocada na sua categoria!

Pura alegria!

Bem à esquerda o nosso amigo Vie Runner Fernando Bassuino (3º colocado moral da sua categoria - heheehe).

Além desses atletas, contamos com a presença e pódio da Fátima Lucca e do Carlos Lucca.

Obrigado à todos que dedicaram um pouco do seu dia para participar da prova com a equipe. A próxima etapa já tem data (05/08/2012)! Vamos nos preparar para mais essa!







20 de jun de 2012

Curso de Bandagens Funcionais no Esporte na Vie!!!


VOCÊ SE INSCREVE E GANHA UMA BANDAGEM RÍGIDA E UMA FUNCIONAL!!!

Data: 25 e 26 de agosto de 2012 (sábado e domingo das 8h às 18h)

Carga Horária do Curso: 20h 

Ministrante: Guilherme Bergamo (Fisioterapeuta do Esporte Clube Internacional)

Ementa: Abordar a utilização, características e os tipos de bandagens, bem seus benefícios e aplicabilidades funcionais dentro da reabilitação desportiva.

Objetivos do Curso: Difundir novos conhecimentos e perspectivas em relação à utilização de bandagens funcionais na fisioterapia desportiva. Demonstrar e praticar aplicações de bandagens funcionais, bem como revisar conteúdos teóricos relacionados à prática de bandagens. Rever, também, referências atuais existentes na literatura, que evidenciam a aplicabilidade da prática citada. Habilitar alunos e profissionais de fisioterapia a utilização segura da ferramenta, bem como esclarecer dúvidas e precauções na utilização das bandagens em atletas.


CONTEÚDO PROGRAMÁTICO:
Introdução Teórica: Conceito, História, Tipos de Bandagens, Principais Métodos, Fisioterapia Desportiva + Bandagem Funcional, Indicações e Contra-indicações, Precauções e Efeitos Adversos.

Revisão Anatômica e Biomecânica: Membros Superiores, Membros Inferiores e Coluna Vertebral

Lesões Comuns no Esporte de Alto Nível: Espasmos Musculares, Fadiga Muscular e Sua Fisiopatologia, Tendinites e Suas Causas, Rupturas Musculares e Ligamentares: como ocorrem, como tratar e previnir; Calor e Gelo na Fisiopatologia da Inflamação, Fisioterapia Preventiva na Prática Desportiva.

Prática de Bandagens em Membros Superiores: Taping Epicondilite Lateral, Taping Epicondilite Medial, Taping Tendinite de Quervain, Taping Retirada de Sobrecarga do Deltóide.

Prática de Bandagens em Membros Inferiores: Taping Tendinite Patelar, Taping Ativação/Inibição de íquiostibiais, Taping Entorse em Inversão, Taping Fasceíte Plantar.

Prática de Bandagens na Coluna Vertebral: Taping Dor Lombar Difusa, Taping Estabilização Escapular, Taping para Espasmo de Paraespinhais.

Inscrições até 17/08.

Investimento: 
Até 27/07 - R$ 400,00 à vista ou 2x de R$ 220,00 (entrada + cheque 30 dias)

Após 27/07 - R$ 450,00 à vista ou 2x de R$ 250,00 (entrada + cheque 30 dias)

Dados para depósito:
Banco do Brasil - Ag. 4358-3  CC. 7876-X
Favorecido: Leonardo Fratti Neves
Enviar comprovante de depósito para o e-mail viefisioterapia@hotmail.com

4 de jun de 2012

Alterações Posturais


O que são:
                Definimos a postura como “o conjunto de posições das articulações do corpo em um dado momento” ou como “a condição em que o centro de gravidade de cada segmento corporal está alinhado verticalmente com o segmento abaixo”. O que chamamos de postura “ideal”, diz respeito a um estado de equilíbrio muscular e esquelético  mantido com o mínimo de estresse ou tensão sobre o corpo, e este padrão proporciona referências comparativas durante a avaliação postural. 
 A figura abaixo ilustra a posição ideal de alinhamento da coluna, com as suas curvaturas fisiológicas.


                Existem duas situações que definem a postura no dia a dia, são elas a postura estática e a postura dinâmica. A estática é descrita quando nos encontramos parados, a dinâmica está presente quando nos movimentamos para realizar tarefas do cotidiano ou exercícios físicos. Os padrões posturais em que nos encontramos baseiam-se nos ajustes que realizamos ao longo do dia para responder às demandas ergonômicas e para manter um certo nível de conforto para a coluna.


Causas:               
A má postura pode ser causada por maus hábitos posturais, desequilíbrios musculares e encurtamento de tecidos moles. Estruturas anatômicas que estão diretamente relacionadas aos hábitos posturais são as ligamentares, através de rigidez ou frouxidão, óssea, através de anomalias e a falta de flexibilidade muscular.
                As deformidades posturais mais comuns são:
                - A cabeça deslocada para frente, ocasionando um posicionamento anterior excessivo do pescoço.
                - A hipercifose (curvatura característica da coluna torácica) aumentada, resultando em uma flexão excessiva deste segmento vertebral.
                - A hiperlordose (curvatura característica da coluna cervical e lombar) aumentada, resultando em uma hiperextensão do segmento vertebral afetado.
                - A escoliose, classificada como uma curvatura lateral dos segmentos vertebrais.
                - As chamadas retificações, que consistem em uma diminuição das curvaturas anatômicas, tanto cifoses como lordoses, fazendo com que o paciente perca mobilidade destes segmentos, tornando-as estruturas rígidas.

 
                Estas anomalias podem gerar deformidades compensatórias nas estruturas periféricas (braços e pernas). Estas deformidades ocorrem devido à necessidade do paciente em manter-se alinhado ou diminuir desconfortos que podem estar associados à má postura. Sempre devemos lembrar que o sistema musculo-esquelético está interligado, ou seja, alterações posturais esqueléticas manifestam-se no tecido muscular, ligamentar, fáscias, cápsulas articulares e cartilagens, assim como deformidades nestas estruturas podem levar a alterações no tecido ósseo, por isso, grande parte dos pacientes apresentam quadros álgicos (dor) associados a má postura.


Tratamento:
                O tratamento consiste primeiramente em eliminar dores e desconfortos gerados devido à má postura. Em seguida são utilizadas técnicas que atuam nas estruturas articulares e musculares para ganho de amplitude de movimento (ADM), como por exemplo: mobilizações articulares, pompages, massoterapia e alongamentos específicos. O fortalecimento muscular é de estrema importância, o que proporciona maior sustentação da postura considerada ideal no dia-dia.

                Quando falamos em fortalecimento muscular, podemos citar dois métodos básicos que agregam estas características aos seus critérios, são elas: Pilates e RPG (Reeducação Postural Global). Estes métodos estimulam o paciente ao movimento livre e coordenado, tendo como foco o ajuste postural, onde o mesmo deve utilizar contrações contínuas dos músculos responsáveis pelo alinhamento da coluna, antes de realizar qualquer tipo de movimento. Com isso, os músculos posturais são exigidos de maneira correta, agindo como estabilizadores, proporcionando seu condicionamento.



                O tempo de reabilitação e reeducação postural depende de alguns critérios básicos do paciente, são eles: idade, trabalho, sedentarismo.
                Idade: pacientes que conviveram durante muito tempo sem cuidados específicos não somente com sua postura, e sim com sua saúde, e vieram a desenvolver dores e desconfortos nas costas, impedindo-os de realizar atividades antes consideradas normais, podem levar mais tempo no tratamento. Não somente por isso, mas a capacidade responsiva dos músculos e articulações para com os exercícios propostos está diminuída em indivíduos de mais idade.

                Trabalho: Postura adotada para trabalhar: sentado, de pé, caminha muito, tem períodos de descanso, horas de trabalho por dia em uma mesma posição. Estes históricos são importantes para delinear o tratamento e contribuem para um bom prognóstico.

                Sedentarismo: Diz respeito ao condicionamento prévio do paciente. Um indivíduo mais sedentário terá maiores dificuldades e levará mais tempo para condicionar-se. 

Texto: Gregório Weinmann
Edição e Revisão: Leonardo Fratti Neves