30 de ago de 2011

Lesão de Ligamento Cruzado Anterior

O ligamento cruzado anterior (LCA) é acometido em 50% das entorses do joelho. Essas lesões são decorrentes, na maioria das vezes, de atividades esportivas, principalmente aquelas que envolvem movimentos de desaceleração, rotação e saltos.
A função do LCA é a estabilização do joelho contra a translação anterior da tíbia sob o fêmur e contra a rotação externa do fêmur sobre a tíbia (ver figuras), contribuindo também na estabilização contra o estresse valgo. Ocorrendo algum tipo de lesão no LCA, a instabilidade do joelho fica comprometida, podendo aumentar o risco de alterações degenerativas como dano meniscal e osteoartrose.
O tratamento dessas lesões é baseado nos sinais clínicos e nas alterações funcionais, que serão decisivos para a indicação da reconstrução cirúrgica. Nos entorses em que não há ruptura completa do ligamento, geralmente, opta-se pelo tratamento não cirúrgico, realizando-se apenas a fisioterapia. Em caso de ruptura completa, quando há indicação cirúrgica, na maioria dos casos podem ser utilizados dois tipos de enxertos na reconstrução do LCA. O primeiro com enxerto do terço médio do ligamento patelar é registrado como o procedimento padrão de muitos cirurgiões, tendo como principal propósito, a estabilização do joelho e proporcionar condições para que ocorra a recuperação funcional completa. O segundo, utiliza enxerto com os tendões dos músculos posteriores da coxa.
A cirurgia deve ser avaliada pela equipe médica caso a caso, no entanto, em caso de atletas profissionais, a indicação de cirurgia de reconstrução do LCA é indiscutível, pois quando lesionado, pode comprometer significativamente o desempenho desportivo, gerando instabilidade na articulação do joelho, reações de proteção e pode favorecer a ocorrência de lesões em outras estruturas.
Após a cirurgia, o retorno à prática desportiva está condicionado a uma adequada reabilitação, a qual é de responsabilidade do Fisioterapeuta. Este tratamento terá como objetivo diminuir o edema e processo inflamatório da articulação decorrente da lesão e procedimento cirúrgico, devolver ao atleta a amplitude de movimento (ADM), a força muscular e treinamento do sistema proprioceptivo.
A duração do processo re reabilitação e retorno à atividade desportiva profissional ou amadora também pode variar, mas geralmente ocorre após cerca de 6 meses de tratamento fisioterapêutico. O indivíduo somente tem alta para retornar às suas atividades após criteriosa avaliação fisioterapêutica e médica. As atividades de vida diária podem ser retomadas em tempo menor, variando de acordo com o tipo de atividade e com o perfil do paciente.
Texto: Daniel Wentz Agostini
Revisão e Edição: Leonardo da Rosa Leal e Leonardo Fratti Neves

24 de ago de 2011

Síndrome do Túnel do Carpo

A síndrome do túnel do carpo consiste na compressão do nervo mediano na região do carpo (punho). O túnel do carpo é um espaço restrito por onde passam os tendões dos músculos flexores do punho.
A incidência deste acometimento na população geral é menor do que 1%. Em situações de sobrecarga das estruturas que compõe o punho, estes valores podem chegar a 15% desta população. A tendinite de punho é um exemplo de lesão que pode estar relacionado com a síndrome do túnel do carpo.
A compressão do nervo mediano é ocasionada basicamente pela inflamação dos tendões flexores que aumentam de volume, diminuindo o espaço existente no canal, ou por lesões agudas decorrentes de traumas ou fraturas que ocasionam edema (inchaço), gerando pressão nesta região e comprimindo-o. Devido a este processo, os sintomas são: formigamento na região correspondente ao nervo e falta de força (principalmente o polegar, indicador e dedo médio da mão). A prevenção consiste na diminuição do excesso de movimentos manuais repetitivos, como por exemplo, o crochê, lavar a louça, digitação e outros manuseios complexos e finos que exijam maior esforço da musculatura flexora e da articulação do punho.
O tratamento fisioterapêutico conservador é o mais recomendado e consiste na estabilização da articulação, principalmente à noitee abandono temporário das atividades estressantes da região. Um medico traumatologista deverá ser consultado para um diagnóstico clínico da lesão e terapia medicamentosa adequada.
Texto: Gregório N. Weinmann
Revisão e edição: Leonardo Fratti Neves

16 de ago de 2011

Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC


A doença obstrutiva tem por característica o aumento completo ou parcial da resistência ao fluxo de ar, não reversível, de qualquer ponto das vias aéreas (meios de condução do ar até os pulmões). Os principais distúrbios obstrutivos são o enfisema, a bronquite crônica e a bronquiolite obstrutiva.
O termo “doença pulmonar obstrutiva crônica – DPOC” diz respeito a uma condição de obstrução crônica ou recorrente do fluxo aéreo, acompanhado de dispnéia (sensação de falta de ar) importante. Fatores de risco para o desenvolvimento destas enfermidades estão cada vez mais presentes na sociedade atual, tais como o tabagismo, poluição ambiental e riscos laborais, tornando-as um crescente problema de saúde pública mundial.


A utilização da nomenclatura DPOC tornou-se corriqueira devido ao fato de serem muitas as situações em que um determinado indivíduo apresenta mais de uma das doenças obstrutivas, graças a mecanismos patogênicos (causadores da doença) comuns a elas. Nestas situações, o diagnóstico é de DPOC, com uma ou outra doença predominante.


É uma condição prevenível e tratável. No entanto, no ano de 2003 a DPOC foi a quinta maior causa de internamento no Sistema Único de Saúde do Brasil e está entre as maiores causas de morte no país. Apesar de ser uma enfermidade pulmonar, seu agravamento pode provocar repercussões sistêmicas importantes, incluindo doenças cardiovasculares, desnutrição e quadros depressivos.


Apesar de a dispnéia, ou sensação de falta de ar, ser o sintoma mais importante, e geralmente aquele que leva o paciente a procurar ajuda médica, a tosse pode ser a primeira manifestação da doença. Esse sintoma pode ser subestimado pelo fato da tosse ser relacionada pelo indivíduo ao hábito de fumar.
Se você apresenta falta de ar aos pequenos ou médios esforços, se é fumante, ou se apresenta tosse por períodos de 3 meses no ano, procure um pneumologista para fazer uma avaliação médica mais detalhada da sua condição pulmonar.
A fisioterapia em pacientes com DPOC deve ser realizada de acordo com avaliação da condição pulmonar de cada um. Hoje, sabe-se que o reabilitação físico para doenças pulmonares é altamente recomendado e tem um grau de evidência científica irrefutável.
Texto: Daniel Wentz Agostini
Revisão e edição: Leonardo da Rosa Leal e Leonardo Fratti Neves

10 de ago de 2011

Hérnia de Disco

A coluna vertebral é constituída por 24 vértebras articuladas separadas por discos intervertebrais. Estes discos são compostos basicamente por anéis fibrosos periféricos e um núcleo gelatinoso, responsável pela nutrição discal e absorção de impacto. A hérnia de disco corresponde a lesão e degeneração discal decorrente de trauma ou fadiga (má postura, carga excessiva ou sobrepeso) comprometendo as estruturas anatômicas que os compõe e as adjacentes.
Ao realizarmos movimentos em flexão com a coluna, como por exemplo, pegar objetos no chão ou levantar algo pesado que encontra-se em um nível mais baixo, estamos nos expondo a este tipo de lesão. Com o passar do tempo, se estes movimentos tornarem-se rotineiros, estes anéis vão se rompendo e o núcleo perfunde-se em direção a medula espinhal, em situações extremas da lesão.
Os principais sintomas são: dores fortes na região da lesão em determinados movimentos, principalmente para flexão e tensões musculares dos músculos envolvidos. Em estágios mais avançados ocorre fraqueza muscular da musculatura e formigamento na região inervada pela raiz acometida. O exemplo clássico é a dor e inflamação do nervo isquiático, que se origina nos forames intervertebrais das vértebras L4, L5, S1, S2 e S3.
A fisioterapia atua tanto para fins preventivos como curativos. Preventivos desenvolvendo exercícios e atividades com o objetivo de orientar o individuo em relação as atividades de vida diária (AVDs) corrigindo a postura, e utilizando técnicas e exercícios de fortalecimento abdominal, proporcionando resistência e maior suporte estrutural para a coluna. Curativos tendo como foco proporcionar analgesia no local da lesão com a utilização da eletroterapia, relaxamento da musculatura envolvida na lesão e aumento do espaço articular.
O método Pilates é uma excelente alternativa para prevenir possíveis lesões, pois trabalha com o controle e ativação do nosso centro de força, musculatura abdominal e postural, amplitude de movimento e flexibilidade.
Texto: Gregório N. Weinmann
Revisão e edição: Leonardo Fratti Neves